O BEM!

O BEM!

Por Fabrício Ferreira

“A alegria de fazer o bem é a única felicidade verdadeira” (Leon Tolstoi)

Na linguagem do “evangelicalês”, missão, ministério, chamado, vocação, etc… são vocábulos comumente usados a torto (e bota torto nisso) e a direito. Quando falamos em missão, pensamos sempre em algo grandioso, que nos vai dar algum destaque perante os outros. Todavia, esquecemos que todos, sem exceção, temos uma grande e linda missão em comum, que não precisa estar escrita em lugar algum: FAZER O BEM! Podemos entender “bem” como dar algo a quem precisa sem esperar nada em troca. Poderia ser definido também como doar algo que se tem em prol dos que não tem. Fazer o bem está além de um ato bonito, está relacionado à qualidade de vida que vivemos.

Deus não chega para uma pessoa específica e diz: Sua missão é fazer o bem. Não! Deus não precisa dizer isso. Fazer o bem está acima de qualquer lei, escrito, ordem divina; está acima de qualquer credo, filosofia, ideologia e motivação. Fazer o bem é a própria essência da vida de qualquer ser humano que respira. Não precisamos de “autorização divina” para fazer o bem, não importa se é para um negro ou branco, uma criança ou adulto, um homossexual ou um dependente químico; não importa se é de dia ou de noite, se estamos trabalhando ou descansando, se estamos de bom ou mau humor, temos a necessidade de fazer o bem a não ser que estejamos dispostos a viver uma vida que não valha a pena ser vivida, uma vida de mentiras.

O que nos é ensinado, mesmo que implicitamente, é que devemos estudar, trabalhar, casar, fazer muitos amigos, constituir uma família e juntar muito dinheiro para que possamos enfim viver uma vida digna. O modelo de vida seguido por muitos é exatamente assim, ainda que muitos não aceitem isso. Vivemos em busca de algo que nunca é saciado. Talvez seja porque o verdadeiro sentido da vida não está em receber e sim em doar, como está registrado em Atos 20:35: “Tenho-vos mostrado em tudo que, trabalhando assim, é necessário auxiliar os enfermos, e recordar as palavras do Senhor Jesus, que disse: Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber.”. Só sei de uma coisa, nesse modelo de vida não há espaço para fazer o bem.

 

O bem que estamos acostumados a ver e a fazer é aquele pontual, com dia e hora marcada e de preferência com um bom público para nos aplaudir. Infelizmente, o exemplo que tenho aconteceu numa igreja: Em certa reunião com os líderes de uma igreja, estava sendo discutido todo o planejamento de um ano que se iniciava. Foi estudada uma forma de como receber bem as pessoas na igreja, de como organizar o culto, de como criar eventos que atraíssem mais gente pra igreja, e coisas do tipo. Então alguém se levantou já no final da reunião e disse: “E a obra social?”, o pastor respondeu: “Bom, a obra social a gente vai vendo ao longo do ano o que a gente pode fazer.”.

 

É assim que encaramos o fazer o bem. Nas igrejas chamam isso de obra social, ou seja, mais uma das tarefas da igreja, ou melhor, talvez a menos importante. Muitos de nós tratamos a questão de fazer o bem como algo que caiba dentro de uma agenda lotada de tantos outros compromissos. Já parou pra pensar que nunca temos tempo pra isso? Até mesmo quando ofertamos e dizimamos, fazemos com o coração voltado para nós mesmos. Queremos que Deus nos recompense pelo “sacrifício” que estamos fazendo dando o nosso tão suado dinheirinho. Mas afinal de contas, que recompensa há em fazer o bem a não ser o próprio fazer o bem?

Fazer o bem é o combustível para viver uma vida digna de ser vivida, uma vida com propósito, uma vida plena. Acumular para si e não compartilhar não é vida, é passar por ela sem ter vivido sequer um dia. Não importa o quanto você conquistou, se teus sonhos foram realizados, se nunca te faltou o pão ou se nunca te faltou saúde. Não importa se você foi um baita de um pastor ou líder de alguma coisa na igreja, não importa quantas pregações foram feitas ou quantos eventos foram um sucesso. Não importa se o sucesso foi seu aliado por toda vida ou se você conseguiu fazer muitos amigos, se o fazer o bem não esteve presente no seu dia a dia, ou se foi apenas uma cereja no teu bolo, de nada valeu passar por esse mundo, meu caro.

Faça o bem pra quem quer que seja independente de quem você seja. A vida só ganha cor quando a compartilhamos o que temos com alguém que precisa. Se temos amor, permita que alguém que não tenha usufrua através de você. Se temos sustento, cale o ronco do estômago de quem não o tem. Se temos paz, injete uma boa dose de calmaria no mar bravio de quem não a tem. Se temos vida, não hesite em bombear um pouco de sangue nas veias de quem não a tem.

Deus te abençoe fazendo de você uma bênção para aqueles que precisam!

(Texto produzido por aluno da EBD – Ministério de Educação Cristã – Projeto Mecriativo)

Deixe uma resposta